Antonina vai às ruas cobrar mais segurança após a morte de Sandy

por Redação JB Litoral
25/12/2013 00:00 (Última atualização: 25/12/2013)

NULL

Vestidos de branco, exibindo cartazes, faixas e com o rosto de Sandy Camargo do Espírito Santos, conhecida por Sandy Villatore, 14 anos, estampado nas camisetas, familiares, amigos e desconhecidos saíram às ruas na tarde de segunda-feira, 23, cobrando mais segurança na cidade de Antonina.

Organizada através das redes sociais por Janaina Gelamos, a manifestação foi pacífica e de forte apelo emocional, uma vez que familiares e amigos do colégio estadual Moysés Lupion e até populares não conseguiram conter as lágrimas. Com apitos, os manifestantes chamaram a atenção da população e cobraram maior contingente para Polícia Militar, policiamento ostensivo e que a Câmara de Vereadores crie leis na área de segurança.

O objetivo da manifestação foi de repudiar a barbárie que culminou a morte de Sandy Villatore e pedir mais segurança pública na cidade.

A mãe de Sandy, Monique Villatore participou da manifestação juntamente com o marido e, emocionada, ela lamentou o fato de não passar o Natal ao lado da filha. Indignada pediu justiça para sua filha. “Minha filha era uma excelente menina. Ela estava saindo da igreja quando fizeram este mal para ela. Ainda não consigo acreditar nisso”, desabafou.

Os manifestantes fizeram atos públicos diante da Câmara de Vereadores, Prefeitura e Delegacia de Polícia da cidade, cobrando mais segurança, leis e rigor na punição de Joaquim da Cruz Rodrigues, 33 anos, que confessou o estupro seguido de assassinato. Ele foi reconhecido em outro estupro, ocorrido na região, em outubro, mas que, felizmente, não acabou em morte. Por motivos de segurança, Joaquim foi transferido para a delegacia de Paranaguá.

O prefeito João Ubirajara Lopes, o João Domero, foi solidário a manifestação, reconfortou lideranças do movimento e familiares. Ele também falou para um grupo de mais 200 pessoas e se comprometendo intensificar o trabalho na área de segurança pública, apesar de ser uma atribuição do Governo do Estado.

Deixe um comentário