Armazém da Brasmar é destruído em chamas na Vila do Povo

por Redação JB Litoral
15/01/2014 00:00 (Última atualização: 15/01/2014)

NULL

eAinda sem saber o que motivou o incêndio de grande proporção que destruiu um armazém da empresa Compacta Brasmar Serviços Logísticos, a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) e o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), orientaram a população da região da Vila do Povo, para evitar banho, pesca e até mesmo entrar na água do Rio Emboguaçu. A recomendação divulgada no Portal da Prefeitura vale até que se apure o vazamento de produto químico que atingiu a galeria de águas pluviais e o rio.

De acordo com o Comdec, todas as medidas para a contenção do vazamento foram tomadas de imediato e a orientação é que o contato com o produto químico, de cor azul claro, que escorreu do armazém na rua e chegou ao rio, seja evitado.

Quem acompanhou o incêndio dede o início, afirma que foi uma verdadeira madrugada de terror e prejuízos que começou por volta das duas horas da madrugada, quando as chamas provocaram um incêndio considerado maior que o que destruiu parte do Hipermercado Condor e assustou os moradores da região.

A causa do incidente na empresa que movimenta, como principal produto, bobinas de papel da empresa Klabin, ainda é desconhecida. Mas informações ainda não confirmadas, dão conta que não havia muito produto químico no local onde ocorreu o incêndio, mas havia madeira e compensado, o que pode ter intensificado as chamas e aumentado o volume do incêndio.

A empresa proprietária do imóvel, APM Terminals Brasil, afirmou que nenhum material contido no local possuía característica nociva. Também existe a informação, ainda não confirmada por estar sob análise, que o produto químico de cor azul, que escorreu para o rio Emboguaçu é biodegradável.

O trabalho eficiente do Corpo de Bombeiros conseguiu controlar a situação das 7 horas, mas ainda existem pequenos focos de incêndio pequenos no local, alguns deles visíveis da Avenida José da Costa Leite, até por volta das 20 horas. Para controlar o incêndio, os bombeiros de Paranaguá acionaram equipes da corporação de Matinhos, Morretes e Pontal do Paraná. Viaturas do Corpo de Bombeiro permanecem trabalhando no local e a previsão é que pode levar até dois dias para que esses pequenos focos sejam totalmente controlados. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, não havia ninguém no local na hora da ocorrência e não houve registros de feridos.

Uma nota oficial da Comunicação Social da Operação Verão do Corpo de Bombeiros, assinada pelo tenente Fernando Tratch, informou que a situação está confinada e, por isso, não há perigo de que o incêndio se alastre para os estabelecimentos vizinhos.

Outra nota divulgada pela APM Terminals Brasil, informou que o armazém continha materiais como algodão, polipropileno e bobinas de papel, mas informou que nenhum dos conteúdos armazenados tinha “características de carga nociva”.

“A direção da APM Terminals já tomou todas as providências para garantir a segurança de seus colaboradores e da comunidade do entorno, e já iniciou as tratativas referente a investigação das causas deste incidente. A empresa vem dando total suporte aos funcionários desta unidade e as operações na mesma estão suspensas até que a situação do local seja normalizada”, finalizou a nota.

O incêndio se tornou o principal assunto da cidade e litoral nas redes sociais e dezenas de fotos foram postadas por profissionais da imprensa, curiosos e moradores próximos. O JB aproveitou algumas destas fotografias e fez a galeria que pode ser vista abaixo.

Deixe um comentário