Autoridades discutem paralisação e investimento em infraestrutura

Reunião foi organizada pela Câmara Municipal de Paranaguá e contou com a participação de sindicatos, empresários e associações de moradores da cidade. A questão da PR-407 foi um dos destaques do encontro.

por Redação JB Litoral
12/11/2013 00:00 (Última atualização: 12/11/2013)

NULL

A Câmara Municipal de Paranaguá realizou, na noite de segunda-feira (11), uma reunião com lideranças políticas e de várias entidades da sociedade civil organizada para discutir a paralisação da BR-277 e da PR-407 (ligação com as praias) em protesto pedindo, aos governos Estadual e Federal, investimentos na infraestrutura da cidade.

A ideia de uma paralisação geral envolvendo entidades representativas de todos os segmentos da sociedade nasceu de uma série de descontentamentos: a proposta do Governo Federal sobre os arrendamentos do Porto de Paranaguá, que diferencia-se do projeto desenhado pela APPA no PDZPO (Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto Organizado), o caos do trânsito na cidade, provocado pelo aumento na movimentação portuária, o aumento no número de acidentes com vítimas na PR-407 e a consequente responsabilidade da Ecovia pelo trecho e o descontentamento com a legislação do Governo Federal sobre a administração dos portos brasileiros (como, por exemplo, a MP-595).

Segundo o presidente da Câmara de Vereadores, Marquinhos Roque, o momento é de grande união em prol da cidade. “Precisamos, de fato, nos unir porque Paranaguá está vivendo um caos no trânsito. Há períodos do dia que a cidade praticamente para”, disse.

O prefeito de Paranaguá, Edison de Oliveira Kersten, demonstrou preocupação com a segurança dos parnanguaras. “Temos que tomar uma ação efetiva. Não dá para vermos gente morrendo pelo caos gerado pelo aumento do tráfego. O caso da PR-407 é emblemático. Vamos cobrar veementemente a duplicação daquele trecho e a construção do viaduto para desafogar os acessos à cidade”, disse.

Recentemente, o prefeito recebeu o Deputado Cleiton Kielse, da CPI do Pedágio, que comprometeu-se a incluir a construção do viaduto entre as obras que a Ecovia terá de fazer para atingir o mínimo que deveria ter investido no litoral do Estado.

Representando o setor empresarial do município, o presidente da Aciap (Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Paranaguá), Arquimedes Anastácio, demonstrou apoio ao movimento. Também presente à reunião, Carlos Antônio Tortatto, presidente do sindicato dos Conferentes, também confirmou que a classe estaria pronta para aderir ao protesto. “Vamos fazer uma reunião, mas tenho certeza que todos estão de acordo com as reivindicações em favor da cidade. O Porto tem que parar junto”, disse.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

PR-407

Um dos temas discutidos foi a PR-407, onde vários acidentes têm acontecido, inclusive com vítimas fatais – o mais recente resultou na morte da adolescente Jéssica Vitória Alves, de 13 anos.

Após muita discussão, ficou definida uma comissão que vai reunir novamente na quarta-feira (13), às 15h, na Câmara de Vereadores, para definir a data e a pauta da paralisação.

A comissão tem dez integrantes: vereadores Ricardo, Márcio Costa, Adriano Ramos, Arnaldo Maranhão e Waldir Leite, Paulinho Carvalho (presidente da Umamp – União Municipal das Associações de Moradores de Paranaguá), Alekssandro Alves (Associação de Moradores do Jardim Esperança), Thaís Cristine Canete (Associação de Moradores do Jardim Ouro Fino), Claudio Santos (Associação de Moradores da Vila Garcia) e José Nunes (Associação de Moradores do Vale do Sol).

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments