“Ninguém dá nada de graça para ninguém, existe alguma coisa por traz de tudo isto”, diz vereador

LUAN SANTANA EM PARANAGUÁ

por Redação JB Litoral
28/06/2017 18:00 (Última atualização: 06/07/2018)

Doador' não veio para cidade prestigiar o show que doou de Luan Santana. Foto/PMP

A falta de transparência na divulgação da parceria entre a prefeitura municipal e a empresa Centro de Eventos Morro do Cristo, que assegurou as atrações musicais para a 7ª Festa da Tainha e Aniversário dos 369 anos da cidade, por meio de Termo de Cooperação contido na Lei Municipal 3.650/2017, deflagrou nova polêmica que ganhou as redes sociais em Paranaguá.

Tido pelo Prefeito Marcelo Elias Roque (PV) como alternativa legal e voltada para economicidade dos recursos públicos, a doação dos shows para as festas do Calendário Oficial de Eventos do Município, resultou em denúncias de possíveis irregularidades e suspeita de estarem ligadas à contratação da estrutura para as festas públicas, que se tornou alvo de investigação pelo Ministério Público do Paraná (MPPR). Trata-se dos autos de Notícia de Fato, número MPPR-0103.17.000153-3, segundo o site Agora Litoral na reportagem “Empresa parceira da Prefeitura bancará todos os shows na cidade”, publicada dia 17 e atualizada dia 23 deste mês.

“Ninguém dá nada de graça para ninguém, existe alguma coisa por traz de tudo isto”, diz vereador 2A situação ganhou repercussão negativa a ponto de os Vereadores Jaime Ferreira dos Santos (PSD), o Jaime da Saúde, e Adriano Ramos (PHS) apresentarem requerimentos pedindo informações sobre o primeiro show de Luan Santana realizado na quarta-feira (21), na sessão realizada no dia seguinte no Palácio Carijó. Enquanto Jaime da Saúde queria saber informações da empresa Morro do Cristo, a doadora dos shows, Adriano Ramos quis saber a disparidade nos gastos com a estrutura das festas de 2016 a 2017.  

Entretanto, todos os dois requerimentos foram rejeitados pelos vereadores da bancada de apoio do Prefeito Marcelo Roque.

“Fomos derrotados, esmagados e atropelados nesta Casa por pessoas que talvez não tenham compromisso com a população” disparou Jaime da Saúde.

Suspeitas dos vereadores

O Jaime da Saúde considerou estranha toda esta situação e, ainda, o fato de a empresa sequer colocar o seu nome no cartaz da festa e não usar a contrapartida pela doação dos shows que seria a publicidade de sua marca na propaganda junto ao cantor de fama nacional, Luan Santana. “Ninguém dá nada de graça para ninguém, existe alguma coisa por traz de tudo isto”, suspeita o vereador.

Por sua vez, Adriano Ramos é mais crítico e profundo em sua suspeita, ao supor que na contratação milionária da estrutura para as festas públicas na ordem de R$ 4,8 milhões, pode estar embutido o valor do preço do show.

“Ninguém dá nada de graça para ninguém, existe alguma coisa por traz de tudo isto”, diz vereador 3Jaime e Adriano tiveram requerimentos derrubados na Câmara

“Então é a população parnanguara que está pagando”, suspeita o vereador, se isto tiver ocorrido.

Descumprindo o Termo de Cooperação

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

A falta de organização e planejamento da prefeitura com as festas da Tainha e de Aniversário, levando em conta que o Termo de Cooperação assinado no dia 13, oito dias antes do primeiro show de Luan Santana, o cartaz de divulgação dos eventos passou a ser veiculado pelo Secretário Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Darlan Janes Macedo Silva, na semana do show, o mesmo ocorrendo com a Secretaria Municipal de Comunicação, que divulgou a Festa da Tainha três dias antes do seu início.

Na divulgação do cartaz oficial da Festa foi observado que a prefeitura deixou de cumprir sua obrigação contida no Termo de Cooperação, nos itens 6.1 e 6.2. No primeiro determina que “o Poder Público Municipal fica obrigado a inserir o nome do doador no material oficial de divulgação do evento ou festividade e em publicidades institucionais afetas aos eventos festivos. Havendo mais de um doador, para cada evento será inserido o nome do respectivo responsável pela doação”. No segundo, diz que “a inserção do nome do doador dar-se-á com a identificação de “colaboração” ou “apoio””. O cartaz não traz o nome do Morro do Cristo, empresa doadora dos shows, inclusive de Luan Santana. 

“Ninguém dá nada de graça para ninguém, existe alguma coisa por traz de tudo isto”, diz vereador 4Cartaz oficial não traz publicidades e nem empresa doadora

Empresa é parceira da Drial 

A reportagem do JB fez uma pesquisa na internet a respeito da empresa Morro do Cristo e constatou que ela pertence ao empresário Luis Felipe do Nascimento Vieira que, segundo o portal www.consultasocio.com, ainda é sócio da Drial Organizações de Eventos Esportivos (Irmãos Vieira Organizações de Eventos Esportivos Ltda – ME) e da MCX Locações de Estruturas Ltda – ME.

Somente a Morro do Cristo, ainda segundo o site, possui um capital social de R$ 300 mil, possivelmente, inferior ao custo de todos os shows que está doando para cidade neste mês e em julho.

Também foi levantado que a empresa Morro do Cristo possui Certidão Positiva com Efeito de Negativa de Débitos relativos aos tributos federais e à Dívida Ativa da União, segundo site da Receita Federal do Brasil.

A suspeita do Vereador Adriano Ramos divulgada em reportagem feita pela TVCI no que diz respeito à contratação milionária envolvendo o show, se deve ao fato da Drial ter sido a vencedora da licitação das estruturas das festas públicas e, segundo a TVCI, ter envolvimento com a Morro do Cristo, levando ser supostamente do mesmo grupo empresarial.

Empresário não veio ao show 

A reportagem falou por telefone com o empresário Luis Felipe, que sequer compareceu ao show de Luan Santana que doou à cidade, para que o mesmo esclarecesse algumas dúvidas a respeito desta parceria com a prefeitura. Ciente da polêmica que sua doação repercute na cidade, mesmo sem ser questionado, o empresário antecipou que não ganhou nenhuma licitação, apesar do seu possível vínculo com a Drial. Questionado sobre o valor total dos shows e se a empresa estava pagando sozinha ou juntamente com alguma outra empresa patrocinadora, apesar de não constar nada no cartaz da festa, após questionar quais shows, o empresário disse que iria pensar no assunto e retornaria ao JB. Porém, até o fechamento da edição não houve retorno. Mesmo assim, o jornal deixa o espaço aberto ao empresário fazer os esclarecimentos.

Deixe um comentário