Com estrutura paga pela prefeitura mega evento atrai milhares de fiéis a Paranaguá

O JB foi até o evento entrevistar os proprietários das barracas. Segundo eles, Congresso tem a função de evangelização da sociedade, obtendo recursos em prol do bem da sociedade.

por Redação JB Litoral
29/10/2013 00:00 (Última atualização: 29/10/2013)

NULL

Encerrado no dia 13 deste mês, o 9º Congresso Internacional de Evangelismo, realizado na Praça 29 de Julho desde o dia 6, levou os ensinamentos de Jesus Cristo às pessoas. O evento que é tradicional na cidade é realizado pela Assembleia de Deus com apoio da prefeitura de Paranaguá que patrocina toda estrutura montada na Praça 29 de Julho, segundo o organizador o pastor Ozias Rodrigues dos Santos.

O encerramento contou com a presença do pastor presidente da igreja Assembleia de Deus, José Alves que estava ao lado do prefeito Edison de Oliveira Kersten (PMDB) e do ex-prefeito José Baka Filho (PDT). O deputado estadual Alceu Maron Filho (PSDB) e os vereadores Márcio Aurélio Vieira da Costa (PRP) e Benedito Nagel (PSD), único da bancada evangélica do Legislativo, também prestigiaram o encerramento do Congresso.  

Como ocorre todo ano, o mega evento trouxe inúmeros pastores e cantores gospel de todo o Brasil, atraindo fiéis até mesmo de fora do país. Durante a semana, a redação do JB foi até o evento e falou com os proprietários dos inúmeros estandes que instalados no local, pois além da importância religiosa para o município, o evento também movimenta o comércio e turismo trazendo benefícios aos bairros. Cada barraca do local, em sua maioria, representa comunidades parnanguaras, com os benefícios sociais revertidos para as igrejas e para a população. Para Zeliel Mendes, da barraca que representa a comunidade da Vila do Povo, a importância do evento é demonstrada, inclusive por estar no calendário do município. Segundo Zeliel, o evento tira jovens das drogas trazendo a mensagem do Evangelho. O seminário é organizado pela igreja Assembleia de Deus, mas é destinada a toda a comunidade evangélica de todas as outras denominações e outras agremiações religiosas, que tenham a intenção de ouvir a palavra de Deus, afirma Zeliel.

Segundo Mendes o espaço das barracas são cedidas as comunidades, podendo ter um valor de R$ 300 a R$ 400, podendo ser dobrado, caso o proprietário queira um estande mais amplo. Ele explica que o valor é pago por se tratar de um trabalho de missões, pois há a necessidade de recursos financeiros para realizar um evento desse porte, com a intenção principal de trazer a palavra do Evangelho para a comunidade parnanguara.

O Pastor Jessé Pires de Campos, da Assembleia de Deus da Ilha dos Valadares, comanda a barraca da sua comunidade no evento. Para ele, o evento é importante para o município, com cunho evangelístico, com uma função de resgatar as pessoas dos vícios, trazendo paz para o ser humano através de Jesus Cristo, transformando os indivíduos, fazendo com que a sociedade tenha um bem comum. Segundo ele, o evento traz, por exemplo, em um só dia, uma concentração de 5 mil a 10 mil pessoas.

A coordenação do trabalho e o empenho de todos na realização do evento é algo que faz com que o evento aumente a cada ano, diz o pastor Jessé. Os recursos arrecadados na barraca da Assembleia de Deus da Ilha dos Valadares são destinados à ampliação da Igreja, que está em construção, fazendo com que o resgate das pessoas seja ainda maior na comunidade. Segundo o pastor, o preço pago para se ter uma barraca no Congresso é de R$ 650 para sua cantina. Este valor pago para a diretoria da Assembleia de Deus é revertido em melhorias nas igrejas e no resgate social dos cidadãos. O preço pago é para todo o evento, ou seja, durante os seis dias do Congresso.

A Assembleia de Deus da comunidade da Costeira também marcou presença no Congresso com uma barraca colocada para os fiéis. Paulo Ferreira, um dos proprietários do estande, afirmou estar contente com o trabalho feito e as almas libertadas no evento. Segundo ele, os recursos obtidos no evento são revertidos em prol da igreja, para que os serviços de evangelização sejam feitos no seu bairro e a obra continue com o seu andamento. Para ele, esta é a melhor festa evangélica que existe na cidade e que demonstra a união forte do povo evangélico parnanguara. A taxa por barraca, segundo Paulo, é de cerca de R$ 700. Para ele, é importante frisar que o grande objetivo do evento evangélico é espalhar a palavra de Jesus Cristo entre as pessoas, tudo isso através de um Congresso pacífico e familiar.

Apoio da prefeitura

A reportagem do JB entrevistou o pastor Ozias Rodrigues dos Santos, da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, organizador do 9º Congresso Internacional de Evangelismo. Ele ressaltou que o evento surgiu para dar crescimento na obra do Senhor. Questionado sobre o custo da mega estrutura do evento este ano, o pastor disse que todo o espaço é da Igreja Evangélica Assembleia de Deus que realiza o evento, juntamente com a prefeitura. “A prefeitura dá o terreno e o local para nós fazermos o evento. Ela dá o apoio total do espaço e a estrutura inclusive, que é de uma empresa terceirizada, mas que a prefeitura patrocina”, disse o pastor Ozias.

O JB procurou a prefeitura para saber se o evento faz parte do calendário de eventos do município e qual legislação municipal passou a existir, qual o volume de recursos públicos usado para custear a mega estrutura montada na Praça de Eventos e se a cobrança do espaço público cedido estava sendo feito pela prefeitura. Porém, a Secretaria de Comunicação, num primeiro momento se propôs fazer esses esclarecimentos, mas depois reconsiderou e disse que não se manifestaria sobre o assunto.

Durante o evento a estrutura montada contou com 15 espaços para comércio de diversos produtos, como DVD, CDS, roupas, sapatos, bonés, entre outros e até lojas de renome tiveram estandes como Telhas Rocha, Sonoflex, Shopping Gospel entre outras. Na praça de alimentação o público teve 10 opções de espaços entre gastronomia e produtos. Neste local algumas comunidades evangélicas montaram suas barracas visando arrecadar recursos para igreja e obras missionárias.

Deixe um comentário