Comerciantes da Graciosa apostam no verão para recuperar prejuízos

Estrada na região da Serra do Mar ficou bloqueada devido a uma cratera.Estrada liga Curitiba ao litoral e foi construída ainda no período do Império

por Redação JB Litoral
29/12/2014 13:00 (Última atualização: 29/12/2014)

Os comerciantes da Estrada da Graciosa, que leva ao litoral do Paraná, apostam no verão para recuperar os prejuízos causados pelo bloqueio de seis meses na rodovia. A PR- 410 foi liberada totalmente em setembro, mas o movimento de turista voltou a crescer neste fim de ano. “A gente abre 6h e para 21h, 22h para tentar recuperar o prejuízo”, conta Meg Marcelino.

O trecho que foi interditado desmoronou em março de 2014 devido às fortes chuvas que caíram na região serrana. A cratera que se abriu tinha cerca de 100 metros, e, como o trânsito ficou interrompido, os comerciantes viram as vendas caírem significativamente. No local, o Departamento de Estradas e Rodagens do Paraná (DER-PR) construiu uma estrutura de concreto com o objetivo de evitar futuros deslizamentos.

A estrada foi a primeira ligação entre o litoral paranaense e Curitiba. A rodovia foi construída ainda no período do Império e mantém características originais, como a pavimentação em paralelepípedos. Além do valor histórico, o local é um ponto turístico do litoral devido às cachoeiras e aos mirantes, de onde é possível ver o mar.
Aproveitar a bela paisagem da estrada já faz parte da rotina de uma família mineira, que tem familiares em Paranaguá. “Independente de chuva ou sol, nós estamos aqui sempre”, disse Willian Norman que é empresário.

Conhecer a Graciosa também foi o passeio escolhido por uma família da Região Metropolitana de Curitiba. “A paisagem é bonita, um clima diferente, sai da rotina”, comentou o policial militar Alessandro Saviato.

Todo esse movimento é um alivio também para os comerciantes de Morretes. Os restaurantes ficaram lotados no domingo (28). Os clientes procuravam o barreado, famoso prato típico do litoral do Paraná.

Quem trabalha com artesanato se beneficiou igualmente. “A gente pensou que no Natal não ia dar muita coisa, mas foi ótimo. Todo mundo veio”, afirmou Vera Lúcia Assunção. Nas feiras livres, os produtos mais procurados são cachaça, balas artesanais e chapéus.

Deixe um comentário