Comunidade portuária doa R$ 2,5 milhões para enfrentar a Covid-19

por Redação JB Litoral
03/04/2020 09:52 (Última atualização: 03/04/2020)

A ajuda vem de 30 empresas, sindicatos, cooperativas e outros órgãos. (Foto: Carlos Ruggi / Portos do Paraná)

A comunidade portuária que atua nos portos do Paraná vai comprar equipamentos e insumos médicos para ajudar no tratamento de pacientes da Covid-19 no Litoral do Estado. São R$ 2,5 milhões arrecadados para equipar o Hospital Regional Litoral (HRL), referência no atendimento de moradores dos sete municípios da região. 

O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) falou sobre a importância da contribuição. “É uma iniciativa louvável da comunidade portuária e que colabora para reforço da assistência à comunidade da região. Com essa união de esforços, com a participação da sociedade, estaremos cada mais preparados para vencer essa pandemia”, destacou o governador. 

A ajuda vem de 30 empresas, sindicatos, cooperativas e outros órgãos. Os equipamentos serão adquiridos conforme a necessidade da administração hospitalar. “A comunidade portuária se uniu porque sabe do papel fundamental que desempenha na vida da população. Neste momento de crise, o porto reforça a missão de zelar e melhorar a vida das pessoas”, destaca o presidente da empresa Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. 

Para agilizar a compra dos materiais foi criado uma espécie de fundo virtual. Assim, com a indicação do hospital, as empresas farão a aquisição diretamente dos fornecedores. O investimento imediato será de R$ 1,5 milhão. 

Empresas unidas 

As doações, de até R$ 100 mil, foram feitas por diferentes setores com atividades no porto. Como o Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo), Cooperativas e Sindicatos de Transporte de Paranaguá, Cooperativa de Transportes de Cargas e Anexos (Coopanexo), Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens (STA), Sindicato dos Operadores Portuários (Sindop), Sindicato da Indústria e Adubos Corretivos (Sindiadubos), Sindicato das Agências de Navegação Marítima (Sindapar) e o Sindicato dos Práticos dos Portos e Terminais Marítimos do Paraná (Sinprapar). 

Empresas que operam grãos no Corredor de Exportação Leste – Tibagi, Gransol, Cargill, Cimbesul, Cotriguaçu, Interalli/CBL e Centrosul – se uniram à Bunge (que opera granéis sólidos de exportação no cais oeste) e aos operadores de líquidos, Cattalini e Terin. 

A Mosaic, Fortesolo, Fertipar, Copadubo, Rocha e a Harbor, que operam fertilizantes e outros granéis de importação, fazem parte do esforço junto com as empresas de transporte, como a Multitrans e a Rumo. A Marcon, que opera carga geral e veículos, integra o fundo em parceria com a Klabin (celulose e papel), Pasa (operadora de açúcar no Corredor Oeste) e TCP (contêineres). 

Fonte: Portos do Paraná