Cotinga não registrou caso da Covid-19 entre os indígenas

por Redação JB Litoral
05/08/2020 17:04 (Última atualização: 05/08/2020)

A região é formada por comunidades indígenas que habitam a localidade desde a época da colonização e por isso, fazem parte do patrimônio cultural brasileiro. Foto: Sandra Terena

Apesar da pandemia do novo coronavírus, a Covid-19, aumentando em todo o Paraná, a Ilha da Cotinga, localizada na baía de Paranaguá, ainda é território livre da doença. A região é formada por comunidades indígenas que habitam a localidade desde a época da colonização e por isso, fazem parte do patrimônio cultural brasileiro.

De acordo com a cacique Juliana Kerexu Mirim Mariano, da aldeia Tekoá Takuaty, desde o início de março, equipes da Secretaria da Saúde de Estado (Sesa) estão realizando um trabalho de monitoração com os habitantes feito por visitas pontuais no polo base da Ilha, seguindo os protocolos de segurança e saúde.

Dados do Distrito SanitárioEspecial Indígena Litoral Sul (Dsei LSul) mostram que o Paraná tem hoje, aproximadamente, 17 mil indígenas, divididos em 63 aldeias, distribuídas em 30 municípios, em 12 Regionais de Saúde.

O secretário da saúde, Beto Preto, declarou que apoia as ações junto ao Distrito Sanitário Especial Indígena Litoral Sul (Dsei LSul) e participa da identificação e atendimento oportuno. “Temos acompanhado todos os casos suspeitos e confirmados junto às comunidades indígenas, alertando as Regionais de Saúde e municípios para um olhar atento e cuidadoso aos riscos de ocorrência de surtos nas aldeias, devido suas particularidades, hábitos e costumes”.

Conforme dados da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), o primeiro caso positivado da Covid-19 de indígena foi registrado em junho, em São Miguel do Iguaçu, na região Oeste, com um trabalhador de frigorífico. “Imediatamente, foi organizado e aplicado o Plano de Contingência na Aldeia Ocoy, envolvendo representantes Distrito Sanitário (Dsei LSul), Regional de Saúde de Foz do Iguaçu, prefeitura Itaipu, Defesa Civil do Estado, Fundação Nacional do Índio (Funai), universidades e poder judiciário, com implantação de medidas de isolamento e monitoramento dos casos”, explica a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes.

BOLETIM

O boletim do órgão estadual informa que, atualmente, são 85 casos confirmados de indígenas no estado e 247 em investigação. Os casos confirmados ocorreram nos municípios de São Miguel do Iguaçu (65), Diamante D´Oeste (9), Nova Laranjeiras (3), Ortigueira (3), Arapongas (1), Campo Largo (1) Campo Mourão (1),  Castro(1), Coronel Domingos Soares 91), Londrina (1), Maringá (1), Piraquara (1) e São Jorge do Patrocínio (1).

AÇÃO DA SESA

Para que estes casos não evoluam a números alarmantes, a Sesa vai iniciar um trabalho com equipes ligadas à Secretaria Especial da Saúde dos Indígenas, do Ministério da Saúde, responsável pelo atendimento a estas comunidades no território brasileiro.

De acordo com a Sesa, cerca de 80 mil itens já foram relacionados a equipamentos de proteção individual contra a Covid-19 para as Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena que atuam em todo o Paraná.

São máscaras cirúrgicas, gorros, aventais, luvas, óculos e embalagens com álcool gel que estão sendo usados na assistência aos indígenas por médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e agentes indígenas de saúde.

Para a cacique, a ajuda vai contribuir muito para a proteção da aldeia pois até hoje o único recurso dos indígenas era feito por meio de doações da comunidade. “Estamos há meses esperando por estes equipamentos. Nosso povo também tem o direito de se sentir seguro e protegido”, declarou.

PROJETO SOCIAL

A secretaria vai distribuir máscaras confeccionadas em algodão, recebidas do Projeto Todos pela Saúde, para os 17 mil indígenas das aldeias do Paraná.

Deixe um comentário