Delegado de Matinhos é preso por receber propina para liberar traficantes, diz MP

por Redação JB Litoral
29/01/2018 11:32 (Última atualização: 29/01/2018)

Delegado de Matinhos, Max Dias Lemos foi preso na manhã desta segunda-feira (29) (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Quatro pessoas foram presas preventivamente na Operação Atrox, deflagrada nesta segunda-feira (29) em quatro cidades do Paraná: em Ibaiti e em Londrina, no norte; em Matinhos, no litoral; e em Telêmaco Borba, nos Campos Gerais. Entre os presos, está o delegado de Matinhos.

De acordo com o Ministério Público (MP), Max Dias Lemos é suspeito de soltar, sob pagamento de propina, presos investigados por tráfico de drogas e outros crimes. No momento da prisão, drogas foram apreendidas com ele.

O delegado deve responder por corrupção passiva majorada e por falsificação de documento público.

A Polícia Civil disse que será instaurado um processo administrativo pela Corregedoria Geral da Polícia Civil (Cgpc), para apurar a conduta do servidor. Leia a íntegra da nota ao fim da reportagem.

Os outros três presos devem responder, conforme o MP, por tráfico interestadual de drogas, associação para o tráfico e corrupção ativa majorada. Além dos quatro mandados de prisão preventiva, foram cumpridos outros nove de busca e apreensão.

Investigações

Segundo o MP, as investigações – que duraram oito meses – tiveram início enquanto um homem de Ibaiti, suspeito de ser traficante e de liderar uma organização criminosa na região, era monitorado.

Durante o monitoramento, conforme a promotoria, foi descoberto que um policial militar e o sogro do prefeito de Ibaiti foram de caminhonete a Matinhos para levar drogas para o investigado.

Foi, então, que o policial e o sogro do prefeito foram presos em flagrante. Conforme o MP, porém, eles ficaram na cadeia por uma noite. Ambos foram soltos ilegamente por suspeita de pagar propina para o delegado.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

“No dia do flagrante, esse traficante que seria o líder conseguiu fugir, mas conseguimos prendê-lo e mantê-lo preso em Londrina depois”, relata a promotora Dúnia Serpa Rampazzo.

A operação foi coordenada pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Ibaiti. Para o cumprimento dos mandados, o MP teve o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Equipe de Inteligência da Polícia Militar (PM).

“Em latim, Atrox significa repugnante, que é o que consideramos esses atos de corrupção”, explica a promotora.

O que a Polícia Civil diz

Em nota, a Polícia Civil se manifestou sobre o caso. Leia a íntegra abaixo:

“O Departamento da Polícia Civil informa que, na manhã desta segunda-feira (29), a Corregedoria Geral da Polícia Civil (CGPC) em apoio ao Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) cumpriu um mandado de prisão preventiva contra o delegado Max Dias Lemos, atualmente lotado na Delegacia de Matinhos, pelo crime de corrupção passiva, investigado em Ibaiti, região Norte Pioneiro.

Fonte: G1- Paraná

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments