Donas de casa ocupam 6º lugar com maior número de candidaturas no país

por Redação JB Litoral
10/11/2020 22:30 (Última atualização: 11/11/2020)

Em Guaraqueçaba, menor colégio eleitoral do litoral do Paraná, quatro estão na disputa por vaga na Câmara

Amanda Yargas

Entre as ocupações declaradas pelos candidatos ao Tribunal Superior Eleitoral, dona de casa aparece em 6ª lugar nestas eleições, com 22.329 mil candidatos em todo o país, o que corresponde a 4,01% do total. As funções que aparecem com mais frequência são: agricultor (38 mil), servidor público municipal (35,4 mil), empresário (33,4 mil), comerciante (30,7 mil) e vereador (24,8 mil).

No Paraná, são 1.693 candidatas que declararam a ocupação de dona de casa no registro de candidatura. Quatro delas concorrem ao cargo de prefeita e nove ao de vice. Entre as candidatas a vereadora, 43 disputam as eleições em cidades litorâneas: 10 em Pontal do Paraná, 7 em cada uma das cidades de Paranaguá, Antonina e Guaratuba, 6 em Morretes, 4 em Guaraqueçaba e 2 em Matinhos.

Para a advogada Juliana Bertholdi, especialista em Direito Eleitoral e pesquisadora na área de Direitos Humanos, Justiça e Democracia, esse quadro é reflexo do aumento da inserção feminina nos espaços políticos, ocasionada pela fiscalização mais acirrada da lei que determina que 30% das candidaturas de um partido devem cumprir a cota de gênero. A lei vale desde o pleito de 1998, mas apenas em 2018 ganhou força, com a obrigatoriedade da destinação de pelo menos 30% do Fundo Eleitoral e do Fundo Partidário para as campanhas femininas. Apesar de o número de candidaturas de mulheres ter aumentado nos últimos anos, a representatividade entre os eleitos continua baixa. A advogada ressalta que é necessário três vezes mais recursos para eleger uma mulher. “Não obstante a gente tenha feito esse recorte de obrigar a participação das mulheres na construção das chapas, não obstante 30% dos recursos públicos, e aqui eu incluo tanto dinheiro que nós investimos, tanto o período do horário eleitoral gratuito, não obstante esses investimentos, eleger mulheres ainda é mais difícil e mais caro”.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Eleitorado ignorado

Ela acredita que as candidaturas das donas de casa são uma resposta normal a maior ocupação do espaço político pelas mulheres e que essas candidatas vêm para dar voz à parte do eleitorado que sempre foi deixado de lado. “Essa percepção da mulher enquanto dona de casa, como essa parcela da população que exerce um trabalho extremamente difícil e não remunerado, talvez não tenha sido percebida pelos candidatos tradicionais. As donas de casa são uma parte significativa da população, têm acesso à televisão e ao rádio, em geral são politicamente muito bem informadas e, provavelmente, não viam imagens de identificação própria em outras candidaturas”.

A advogada considera, ainda, que a percepção sobre as mulheres está crescendo no meio político: “está deixando de existir a simples figura da mulher na política para a gente reconhecer a pluralidade delas na sociedade que precisa de representação política. A mulher não é tão somente mulher, ela pode ser mulher empresária, ela pode ser mulher e integrar a população LGBT, ela pode ser uma mulher conservadora, ela pode ser uma mulher progressista. Mulheres são plurais, assim como os homens são plurais, e ver essa pluralidade na política tem sido muito bacana e muito importante para a qualidade da nossa democracia”.

Homens

No Paraná, há ainda outros 5 homens que concorrem ao cargo de vereador e que declararam a ocupação “dona de casa” em seus registros. Para a advogada, esse cenário mostra uma modificação de paradigmas. “É preciso lembrar que a estrutura patriarcal não afeta só a atividade da mulher. Então, seguramente esses homens donos de casa sofrem também essa parcela de preconceito, sofrem também com a ausência de representatividade, inclusive, para além da representatividade política. Porque nós temos sim homens que são pais, homens que são donos de casa, e ter essa discussão, da divisão sexual do trabalho, do trabalho doméstico, como uma discussão de gênero ampla, é muito interessante”, conclui.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments