Errare humanum est, perseverare autem diabolicum*

por Luiza Rampelotti
22/06/2020 10:51 (Última atualização: 30/06/2020)

Na desenfreada corrida por views e likes que os veículos de comunicação vêm travando, infelizmente, os mais prejudicados são os consumidores da notícia, ou seja, a população. O JB Litoral se inclui nesse contexto e, por isso, vem a público dizer que errou.

Vale destacar que o erro é humano, afinal, não somos perfeitos e nem sabemos tudo. E jornalismo é feito por seres humanos, mas, não se pode insistir em errar e, no caso da imprensa, esse não pode ser um comportamento comum.

Admitir um erro é uma virtude que somente aqueles que têm um verdadeiro desejo de melhora, de crescimento, possuem. Mas, para reconhecê-lo, é preciso muita humildade. E tudo isso temos de sobra, afinal, começamos muito pequenos, como um jornal que tinha como público alvo as associações de moradores de Paranaguá. O fato de, hoje, sermos o único a circular nas sete cidades do litoral e termos notada credibilidade, demonstra que a humildade foi um dos sapatos que calçamos para galgar o nosso crescimento.

Para que se entenda a respeito do que estamos falando, resumiremos: na segunda-feira passada, fomos convidados pela Guarda Civil Municipal para acompanhar uma operação que autuaria um ônibus de excursão que retornava do popular Bairro do Brás, em São Paulo, com cerca de 40 sacoleiros que foram ao Estado – que tem um número recorde de casos e mortes por Covid-19 confirmados – para fazer compras.

Fizemos a cobertura por meio de uma live, em nossa Fanpage, que só foi iniciada quando o comando da GCM nos autorizou, após um ônibus, semelhante, se aproximar do local demarcado. No entanto, aquele não era o esperado e, mesmo assim, decidimos continuar ao vivo, aguardando a chegada da excursão.

Quase duas horas se passaram sem a esperada chegada e os comentários eram cômicos: desde aquelas pessoas que levaram a situação na brincadeira, afirmando que estavam aguardando, junto conosco, a chegada do ônibus desaparecido, até aquelas que atribuíram ao JB Litoral a culpa de a excursão não ter aparecido.

E agradecemos aos dois tipos de público: o primeiro, porque juntos, mesmo em uma situação tão delicada, nos fizeram companhia e alegraram nossa noite; o segundo, porque nos mostraram que, apesar de termos tido o cuidado de darmos o play na live somente após autorização oficial, deveríamos ter esperado um pouco mais.

Após toda a adrenalina do ao vivo, reconhecemos que deveríamos ter aguardado a confirmação de que o ônibus parado pela GCM, inicialmente, era o correto (ou no caso, o errado), e, só então, divulgado a notícia para todos vocês.

E é por isso que viemos aqui, humildemente, pedir desculpas. Nosso erro não se repetirá, pois, a quantidade de visualizações nunca será a nossa maior preocupação, ao contrário, o que nos motiva é que a apuração das informações publicadas por nós deverá ser ainda mais exigente. Com isso, quem ganha é você, amigo leitor, que tem um jornal que se preocupa, inteiramente, em repassar a verdade, independentemente de quem irá desagradar.

*“Errar é humano, mas perseverar no erro é diabólico” (Santo Agostinho).