Gleisi: o fato é que a Appa tem uma dívida com a ANTAQ e pagará com os viadutos

por Redação JB Litoral
13/11/2015 10:00 (Última atualização: 24/10/2017)

NULL

Na última semana, durante a assinatura do contrato de dragagem dos portos de Paranaguá e Antonina entre o Ministro dos Portos, Helder Barbalho e o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), no auditório do Palácio Taguaré, sede da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), a senadora Gleisi Hoffmann (PT) esclareceu ao JB o anúncio da construção de cinco viadutos pela Appa na Avenida Ayrton Senna.

 

Trata-se de obras que fazem parte do Programa de Investimento em Logística (PIL) do Governo Federal, que já foi apresentado na cidade durante audiência pública em 2014 e serão feitos com recursos da União, nesta gestão da presidente Dilma Rousseff (PT). A senadora explicou que o anúncio do investimento da Appa se deve ao fato da estatal possuir uma dívida junto à Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).

A empresa repassará os recursos para a construção dos viadutos, como forma de amortização da dívida. Já existe um projeto que o Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT) fez e esses viadutos constavam no PIL. Com um projeto-base que está praticamente pronto, a nossa intenção era já licitar esse ano.

Com as dificuldades financeiras vividas pelo Governo Federal, o lançamento oficial da licitação foi adiado para 2016”, explicou a senadora. Lembrando que o volume de recursos é na ordem de R$ 400 milhões e inclui ainda a revitalização da entrada da cidade. “O fato é que como a Appa tem uma dívida com a ANTAQ, onde foi feita uma negociação, em que ao invés dessa dívida ser paga a entidade (ligada à União), a ANTAQ abriu mão do valor para que esse projeto comece a ser executado. Então vão ser adiantados os cinco viadutos e depois serão feitos os investimentos na rodovia”, explica Gleisi.

“É um encontro de contas, a Appa está devendo a ANTAQ, que achou por bem que era melhor investir aqui no porto de Paranaguá, na cidade, do que receber o dinheiro”, finalizou a senadora.[tabelas]Audiência pública em 2014 na cidade

 

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Em junho de 2014, Gleisi Hoffmann, acompanhada do superintendente do DNIT do Paraná, José da Silva Tiago, do Diretor de Planejamento e Pesquisa, Adailton Cardoso Dias e do ex-deputado federal Ângelo Vanhoni (PT), participou da audiência pública realizada no Teatro Rachel Costa, onde apresentou o projeto de revitalização da entrada da cidade e da BR-277, que fazem parte do pacote de ações do Governo Federal contidas no PIL e anunciou, inclusive, a construção dos viadutos. Porém, um ano antes, a construção de viadutos na BR-277 foi promessa feita por José da Silva Thiago, do DNIT. O projeto tem por objetivo fazer a readequação do acesso ao porto Dom Pedro II, segundo a senadora paranaense, uma das prioridades do Governo Federal para a cidade e região.

No mês passado, em uma entrevista concedida à rádio Litoral Sul FM, o prefeito Edison de Oliveira Kersten (PMDB) destacou que a obra de revitalização da entrada da cidade feita pela União terá seu início para 2016. Ele ressaltou ainda que esteve junto à senadora petista, em audiência pública, no DNIT, oportunidade que o diretor de planejamento e pesquisa do órgão, Adailton Cardoso Dias, disse que obra levará dois anos e meio para ser concluída. Diante das declarações do prefeito, o JB fez contato com a senadora Gleisi, que garantiu que os recursos federais para a obra já estão reservados no orçamento da União. Disse ainda que antes da intervenção começar é preciso aguardar as conclusões do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) e sua aceitação pelo DNIT. “Este calendário atrasou, mas não parou. Embora tenhamos dificuldades financeiras no orçamento da União, esta obra é prioridade e vai acontecer, ainda que com um atraso”, assegurou a senadora.

 

 

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments