Grupo Escoteiro Santa Rita realiza, nesta sexta, lançamento de livro que resgata a história do escotismo em Paranaguá

por Redação JB Litoral
23/10/2018 00:00 (Última atualização: 23/10/2018)

O Grupo Escoteiro Comandante Santa Rita completa, este ano, 45 anos de fundação. Para comemorar o aniversário, durante 2018 o grupo promoveu diversos eventos, como gincanas, jantar dançante, churrascada e, para finalizar, o lançamento do livro “Resgate da História do Escotismo em Paranaguá”, que ocorrerá nesta sexta-feira, 26, às 19h30 no Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) de Paranaguá. O evento é realizado pelo Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá (IHGP) em conjunto com o Grupo Escoteiro.

O livro, produzido pelo Historiador João Carlos da Silva Rocha, faz uma recuperação das narrativas do escotismo no município, contando sobre a chegada dos primeiros grupos e também sobre as equipes que existiram, chegando à fundação do Grupo Escoteiro Comandante Santa Rita, em 1973.

De acordo com a diretora do Grupo, Denise Folha, a produção do livro foi uma ideia que surgiu devido à falta de documentação da história da equipe, que se perdeu após um ato de vandalismo ocorrido há alguns anos, quando todos os registros foram destruídos. “O intuito era salvaguardar a história do Grupo, e como tivemos um resultado bem legal na parte documental e de fotografias, acabou virando um livro”, conta.

Grupo Escoteiro Comandante Santa Rita

São aproximadamente 150 pessoas que participam ativamente dos projetos do Grupo, a maioria crianças, adolescentes e jovens e suas famílias. Com o crescimento da equipe, Denise explica que trabalhos com a comunidade estão sendo mais planejados. “Estamos buscando realizar serviços comunitários, como doação de fraldas geriátricas, de ração, doação de sangue, de roupas e cobertores. São ações que não beneficiam apenas a comunidade, mas também os próprios membros, que percebem a importância de colaborar e começam a desenvolver a responsabilidade social”, diz.

Ela afirma que o escotismo é um movimento de educação não formal, que trabalha, principalmente, na formação do caráter do jovem. Para integrar um grupo existem alguns princípios a serem respeitados: dever para com Deus, para com a Pátria e para consigo mesmo. O movimento busca fazer com que o jovem assuma o seu próprio desenvolvimento através de atividades variadas, e todas têm o objetivo de atingir um dos aspectos da criança/jovem: físico, intelectual, social, espiritual e afetivo.

A criança não vai competir com outras crianças, mas sim com suas próprias potencialidades. É um processo de progressão, onde diariamente existe uma melhora, a qual ela fica mais preparada para assumir seu próprio desenvolvimento, sempre atuando nos valores da Lei e Promessa Escoteira. Sendo assim, a criança/jovem será um bom escoteiro e consequentemente um bom cidadão e uma boa pessoa, pois seu caráter está sendo formado com bases sólidas, declara Denise.

Divisões

Os membros do Grupo são divididos por idade e a segmentação acontece da seguinte forma:

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Ramo Lobinho – atua com crianças na faixa etária entre seis e meio e 10 anos, concentrando sua ênfase educativa no processo de socialização da criança. O lema dos Lobinhos é “Melhor Possível”.

Ramo Escoteiro – trabalha com adolescentes com idade entre 10 e meio e 14 anos e meio, com foco na criação e ampliação da autonomia e aventura. Fundamentado na vida em equipe e no encontro com a natureza, o grupo tem como marco simbólico a expressão “explorar novos territórios com um grupo de amigos”. O lema é “Sempre Alerta”.

Ramo Sênior – jovens entre 15 e 17 anos e meio participam deste ramo, que tem ênfase no processo de autoconhecimento, aceitação e aprimoramento de características pessoas. A expressão é “superar seus próprios desafios” e o lema é “Sempre Alerta”.

Ramo Pioneiro – fazem parte desta divisão jovens entre 18 e 21 anos. Este ramo trabalha o processo de integração do jovem com a sociedade, privilegiando a expressão da cidadania, auxiliando-o a colocar em prática a Lei e Promessa Escoteira em um mundo mais amplo. O marco simbólico é representado pela expressão “tenho um projeto para minha vida” e o lema dos Pioneiros é “Servir”.

Após os 21 anos qualquer pessoa pode ingressar no Grupo Escoteiro como adulto voluntário, atuando como escotista, auxiliando os jovens na realização das atividades, ou como dirigente, realizando funções administrativas.

 

Grupo Escoteiro Santa Rita realiza, nesta sexta, lançamento de livro que resgata a história do escotismo em Paranaguá 2
"O escotismo é um movimento de educação não formal, que trabalha, principalmente, na formação do caráter do jovem", diz Denise Folha.

 

Deixe um comentário