Marquinhos Roque critica gestão Kersten no plenário do Palácio Carijó

Presidente da Câmara alertou Poder Executivo, afirmando que pessoas dentro da prefeitura estão travando os avanços em Paranaguá.

por Redação JB Litoral
15/05/2014 00:00 (Última atualização: 15/05/2014)

NULL

Na última sessão legislativa de abril, dia 29, o presidente da Câmara Municipal, vereador Marcus Antonio Elias Roque (PMDB), criticou abertamente a prefeitura municipal, expondo uma possível rachadura entre a relação de Marquinhos com o prefeito Edison de Oliveira Kersten (PMDB). Além disso, os dois têm visão divergente com relação a candidatura do senador Roberto Requião (PMDB) ao Governo do Estado, visto que o presidente da Câmara não participou da recente reunião promovida pelo senador na cidade, enquanto Kersten participou, inclusive fazendo parte da mesa de autoridades, no evento que defendeu a volta do ex-governador ao Palácio Iguaçu.

No plenário, Marquinhos Roque criticou principalmente a demora com que os avanços estão sendo feitos em Paranaguá, criticando a Secretaria de Obras do município, visto o abandono dos bairros do município. Segundo o vereador, “alguém está jogando contra o prefeito”, afirmando que ele como presidente da Casa Legislativa tem uma postura de mediador, porém tem horas que a “paciência acaba” e há a necessidade de cobrar, ressaltando que é preciso certas vezes “bater na mesa” e cobrar a Prefeitura para que os avanços ocorram.

Morador da Vila Garcia, o presidente da Câmara comentou situação de abandono do seu bairro, assim como as localidades próximas do Ouro Fino e Jardim Esperança, afirmando que reside no local e não se esconde, ficando realmente “no meio do furacão”, algo que intensifica a cobrança dos moradores a ele. Criticando abertamente a administração municipal, Marquinhos Roque afirmou que há pessoas dentro da administração municipal que estão “travando a vida” de Paranaguá.

No mesmo sentido, Marquinhos Roque cobrou o governador Beto Richa (PMDB), afirmando que, no dia 23 de abril, esteve em audiência com Richa, onde abordou sobre a necessidade de construção de uma nova ponte na Ilha dos Valadares, a retomada da construção do Centro da Juventude e uma reforma no Complexo Esportivo da Ilha dos Valadares. Além disso, o vereador cobrou a mudança no local escolhido para a Delegacia Cidadã, que ainda não começou a ser construída. O presidente da Câmara é contra a construção da delegacia na região do Aeroparque, afirmando que outro local tem que ser encontrado. Por fim, Marquinhos ressaltou que requisitou ao governador uma UTI Móvel para a Ilha dos Valadares, algo que foi atendido e será oferecido à população.

Racha no PMDB de Paranaguá

A visão divergente no PMDB municipal foi exposta no dia 04 de abril, quando o senador e pré-candidato ao governo do Estado, Roberto Requião (PMDB), veio até Paranaguá promover reunião para discutir a candidatura própria do partido ao governo estadual. Na oportunidade, Marquinhos Roque negou a cessão do auditório da Câmara ao senador, enquanto Kersten cedeu o auditório da Biblioteca Municipal Leôncio Correia, algo que demonstrou claramente uma visão divergente do destino do PMDB entre os líderes do Poder Legislativo e Executivo de Paranaguá.

O prefeito participou da reunião com Requião, inclusive defendendo a candidatura própria do partido ao governo do Estado em discurso. Enquanto isso, Marquinhos Roque não foi ao encontro partidário, assim como o vereador Ivan da Fafipar, que também pertence ao PMDB. Tal fato demonstra uma visão diferenciada do PMDB na Câmara Municipal e na Prefeitura Municipal, algo que poderá ser ainda mais acentuado com a proximidade das eleições de 2014.

Deixe um comentário