Saúde e Segurança

Campanha precisa vacinar 34 mil crianças contra sarampo e pólio

NA RETA FINAL
Campanha precisa vacinar 34 mil crianças contra sarampo e pólio

Faltando apenas dois dias para o encerramento da campanha nacional de vacinação contra poliomielite (paralisia infantil) e sarampo, 33.837 crianças paranaenses ainda não foram levadas aos postos de saúde para tomar as vacinas, segundo balanço da Secretaria de Estado da Saúde.

A estimativa é que 581.300 crianças entre 12 meses e 4 anos precisam ser vacinadas no Estado.

A maior parte das crianças ainda não vacinada reside nos municípios da 2ª Regional de Saúde, que abrange a capital e os 28 municípios da Região Metropolitana.

Até segunda-feira (10), a cobertura vacinal na regional era de 85,7% no caso da vacina contra pólio, e 84,1% da de sarampo. Na região, 29 mil crianças ainda precisam ser vacinadas.

Os municípios do Litoral também estão com baixa cobertura vacinal, de apenas 80,4%. Em Paranaguá, município com pior desempenho até agora, apenas 66,7% das crianças foram vacinadas contra a pólio e 66,6 % contra o sarampo. A meta nacional estabelecida pelo Ministério da Saúde prevê imunizar ao menos 95% de todas as crianças com idade entre 12 meses e 4 anos, mesmo as que já foram vacinadas anteriormente.

O secretário estadual da Saúde, Antônio Carlos Nardi, ressalta que os pais que ainda não levaram seus filhos para tomar vacina precisam buscar os postos de vacinação até a próxima sexta-feira (14), data de encerramento da campanha nacional.

Ele lembra que não vacinar é deixar as crianças desprotegidas contra o sarampo e a pólio. “Os vírus que causam a pólio e o sarampo, doenças graves e que matam, estão circulando e podem voltar a fazer vítimas no Paraná a qualquer momento. Nenhum pai ou mãe quer ver seu filho doente, por isso, reitero: vacinem seus filhos”, diz o secretário.

Para Nardi, a falta de informação, difusão de boatos e a falsa sensação de segurança sobre o baixo risco de contaminação têm feito muitos pais adiarem ou mesmo desistirem de vacinar seus filhos. “O Brasil conquistou ao longo dos anos uma posição de destaque no cenário mundial em termos de imunização através de vacina, mas isso está em risco por conta da baixa procura. Isso precisa ser revertido o mais rápido possível”, alerta o secretário.

VACINA – Devem ser vacinadas todas as crianças com idade entre 12 meses e 4 anos, 11 meses e 29 dias, mesmo as que já receberam as vacinas anteriormente.

No caso da poliomielite, as crianças que não tomaram nenhuma dose durante a vida recebem a vacina inativa poliomielite (VIP), injetável. Já as crianças que receberam anteriormente uma ou mais doses da vacina VIP serão vacinadas via oral poliomielite (VOP), em gotinhas.

Para proteção contra o sarampo, todas as crianças tomam uma dose da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola.