Paranaguá

De analfabeta à graduada no ensino superior: funcionária do SESC tem história de superação com o apoio da empresa

Ultima Atualização: 09.10.2019 às 14:15:58
Ester veio do interior da Bahia e chegou em Paranaguá aos 18 anos, fugindo da miséria e da fome

Com uma linda história de superação, a Auxiliar Administrativa do Serviço Social do Comercio – SESC, em Paranaguá, Estelina Alves de Souza, de 58 anos, está há quase 20 anos trabalhando na instituição. Durante este período, passou de analfabeta a alguém prestes a concluir o ensino superior. 

Estelina, ou Ester, como é chamada por todos, chegou ai município com 18 anos, fugindo da fome e miséria que vivia na cidade de Boquira, no interior da Bahia.

Quando vim para cá, foi por uma situação de fome, necessidade, era muita miséria. Fui contratada como auxiliar de serviços gerais, por uma empresa terceirizada que prestava serviços de limpeza para o Sesc. A empresa perdeu o posto e fui trabalhar em outro local, mas, em 2002, o próprio Sesc me procurou para ser funcionária deles”, relembra. 

Desde então, ela foi galgando grandes passos na instituição, superando as dificuldades, como a falta de estudos, e crescendo nas funções desempenhadas. Contratada, inicialmente, como Auxiliar de Serviços Gerais, no decorrer dos anos, Ester, aproveitando as oportunidades oferecidas, passou a ser Auxiliar de Biblioteca, depois Auxiliar de Educação Complementar, até chegar ao cargo de Auxiliar Administrativa. 
 

Investir na qualidade de vida dos trabalhadores é um dos propósitos do SESC


Estudos com apoio da empresa

Na Bahia, não tive muita oportunidade para estudar. Quando cheguei no Sesc, eles ofereciam alfabetização, porque sempre incentivaram muito os funcionários a estudar. Eu estudei de 1ª a 4ª série e trouxe meu marido também. Depois fizemos da 5ª a 8ª série, também no Sesc e o Ensino Médio eu fiz na Escola Vidal Vanhoni. Meus estudos foram concluídos sempre com muito esforço e apoio da empresa”, conta Ester. 

Depois de concluir o Ensino Médio, ela começou a fazer vários cursos de capacitação, como Auxiliar de Odontologia e Técnico em Saúde Bucal, Auxiliar de Enfermagem, entre outros. Durante este período, a baiana continuava atuando nos serviços gerais da instituição, até que a empresa abriu um Processo Seletivo Interno para uma vaga na biblioteca. “Eu passei no processo e fiquei dois anos e meio cuidando do local, depois fui realocada para a área de Educação Complementar. Foi quando me deram a oportunidade de fazer uma faculdade que agregasse à minha profissão, na área de educação, que foi a Pedagogia”, diz.

A Instituição paga, integralmente, a mensalidade da faculdade da funcionária, mas, exige contrapartida de sua evolução. A entidade cobra, semestralmente, um balanço das notas e frequência. “A faculdade não é fácil, o Sesc me pede a comprovação das notas, mas eu acho que eles devem ter orgulho, porque a minha nota mais baixa é 9. Em todos os meus estágios tirei 10 e, agora, vou apresentar as atividades complementares e o TCC. Se Deus quiser, no ano que vem me formo como Pedagoga, graças ao lugar onde trabalho”, comemora Ester, que já pensa em fazer uma Pós-graduação em Educação Especial.

“Motivando o crescimento”

Segundo ela, o Sesc motiva todos os seus funcionários a crescerem, tanto profissionalmente, quanto pessoalmente. “Ele me dá as ferramentas e eu aproveito. Todos os funcionários recebem muitas oportunidades, quem quer aproveitar, tem a possibilidade de melhorar de vida”, diz. 

Perto de se aposentar, Ester já está se preparando para o impacto que o desligamento com o trabalho irá causar, mas, afirma que jamais irá se distanciar dos amigos que conquistou no trabalho e das atividades desenvolvidas no local. O Sesc é uma família, minha segunda família. Eu já sinto muito por ter que me aposentar, mas sei que preciso dar oportunidade para outras pessoas poderem viver e conquistar tudo o que eu conquistei aqui”, afirma. 

Muito ativa socialmente, ela tem o desejo de utilizar tudo o que aprendeu trabalhando para beneficiar outras vidas e auxiliar pessoas em situação de vulnerabilidade. “Com toda a formação que eu pude ter aqui, depois que eu me aposentar, penso em fazer trabalho voluntário usando tudo o que eu aprendi. Posso dar palestras sobre saúde bucal, primeiros socorros, desenvolver projetos na área de educação e, principalmente, educação especial, que é o meu foco. O que a gente aprende não pode ficar só conosco, tem que ser transferido, quanto mais a gente dá, mais a gente recebe em amor e carinho. A gratidão que eu sinto pelo Sesc me motiva a dividir tudo o que eu recebi aqui”, conclui Ester. 

Sobre o Sesc

Investir na qualidade de vida dos trabalhadores é um dos propósitos da instituição, que atua há 73 anos no Brasil. De acordo com o Gerente Executivo do Sesc em Paranaguá, Joel Viana, o objetivo é promover a felicidade no trabalho. “O Sesc tem o propósito de cuidar, emocionar e fazer as pessoas felizes. E, para que isto seja realidade, cada um dos colaboradores precisa se sentir cuidado, emocionado e feliz com o que faz, com a forma como é tratado pela empresa, como é incentivado, percebido e pela maneira como contribui para o cumprimento de nossa missão”, comenta. 

Desta forma, ele afirma que cada colaborador passa a manifestar orgulho em trabalhar na instituição e, assim, funcionários e entidade contribuem para a construção de uma sociedade melhor. “Além disto, a oportunidade de crescer e se desenvolver como profissional e como pessoa, de contribuir com seu talento para a execução dos objetivos da área e da instituição, o ambiente de amizade e respeito são fatores primordiais para a satisfação interna e motivação”, finaliza. 

O Sesc pertence ao Sistema Fecomércio e atua nacionalmente, com mais de 580 unidades dedicadas a oferecer serviços e ações que melhoram a qualidade de vida dos brasileiros, em especial dos trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo e de toda a comunidade. O objetivo é criar oportunidades para que pessoas desenvolvam todo o seu potencial, por meio do acesso à cultura, educação, saúde, esporte, lazer, assistência, cidadania e turismo.



Comentários