Cidades

Prefeitura de Paranaguá quer comprar 10 picapes por mais de R$ 2 milhões

Ultima Atualização: 11.09.2019 às 19:11:03
Modelo das viaturas que serão comparadas pela prefeitura (Imagem ilustrativa)

A Prefeitura de Paranaguá pretende comprar 10 viaturas, modelo picape 4x4, cabine dupla, por mais de R$ 2 milhões, por meio do Pregão Eletrônico nº 093/2019, lançado no início deste mês, e que receberá propostas até sexta-feira (13). Neste dia, a Secretaria Municipal de Administração (Semad), por intermédio da Comissão Permanente de Licitação (CPL), realiza a abertura dos envelopes com as propostas das empresas, a partir das 9 horas, no salão de reunião do Palácio São José.

Os veículos, com capacidade para cinco pessoas, estão sendo adquiridos por R$ 228.285,67 cada um, cerca de R$ 90 mil a mais que a compra realizada no início do ano pela Prefeitura de Ibiporã (PR), cidade com 54 mil habitantes, que comprou o mesmo modelo de caminhonete por R$ 138.500. O alto valor da aquisição está sendo analisado pelo Observatório Social de Paranaguá (OSP), que investe na economicidade nos gastos do erário a fim de gerar economia aos cofres públicos.

Os carros se integrarão à frota própria da Guarda Civil Municipal (GCM) que, atualmente, conta com 14 veículos, além de outros oito que são locados. No entanto, apenas dois da frota pública estão em atividade, o restante se encontra em manutenção por diversos problemas elétricos, mecânicos e desgastes de peças. São viaturas com pouco mais de cinco anos de uso, de acordo com o edital da licitação.

O desgaste dos veículos é grande, devido à utilização 24 horas em patrulhamento nas diversas áreas do município. A necessidade de novas aquisições de viaturas, visando a melhoria no atendimento prestado à população, prioriza, inicialmente, a comunidade em situação de vulnerabilidade social dos bairros distantes e fragilizados”, explica o Secretário Municipal de Segurança, João Carlos da Silva.

 

Redução da criminalidade
 

Segundo ele, com a aquisição de mais veículos, é esperada a redução gradativa de ocorrências dos delitos de baixa intensidade, como consumo de entorpecentes, pequenos furtos, dano ao patrimônio público e perturbação do sossego alheio. “A Guarda Municipal também tem a árdua tarefa de enfrentamento à criminalidade e se depara com diversos desafios e obstáculos, que demandam cada vez mais recursos materiais e humanos”, diz.

A Secretaria de Segurança justifica a compra das picapes, em razão do crescimento da cidade e, consequentemente, o aumento populacional, que resulta em mais pessoas, novos bairros e vilas. “Isto amplia o itinerário de patrulhamento nas áreas e, consequentemente, exige uma atualização constante da logística operacional. A presença da GCM em lugares longínquos e, por vezes, de difícil acesso, requer um preparo para transpor quaisquer barreiras naturais, como morros, ladeiras, estradas acidentadas e etc., transportando seus guardas a todos os lugares em tempo hábil”, afirma João Carlos.

Para realizar um trabalho proativo, sem percalços ou imprevistos e, sobretudo, com segurança para os guardas civis e cidadãos, o secretário diz que a corporação precisa de modelos que ofereçam segurança e versatilidade, com amplas opções de uso. Para isto, a substituição contínua e periódica da frota da Guarda Civil é fundamental. “Esta medida administrativa também possibilita que os veículos, com quilometragem excessiva e que necessitam de grandes custos de manutenção, sejam trocados por novos, a fim de não prejudicar a continuidade dos serviços da GCM”, conclui.
 

Prefeitura não responde
 

O JB Litoral questionou a Prefeitura, por meio da Secretaria de Comunicação Social, a respeito deste Pregão. Entretanto, até a fechamento da edição, não obteve resposta.





Comentários