Paraná ocupa cadeira no Conselho Nacional de Política sobre Drogas

por Redação JB Litoral
23/06/2020 10:27 (Última atualização: 23/06/2020)

Renato Figueroa é delegado da Polícia Civil e presidente do Conselho Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas do Paraná

A primeira reunião com uma autoridade do Paraná ocupando a cadeira de representante titular de órgão estadual junto ao Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas (Conad) foi realizada nesta segunda-feira (22). Renato Figueiroa foi nomeado para a função em nível estadual. É delegado da Polícia Civil e presidente do Conselho Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas do Paraná (Conesd). Com a representação, o Paraná alcança o protagonismo frente aos demais estados brasileiros como órgão estadual responsável pelas políticas públicas sobre drogas.

 A reunião foi realizada por videoconferência. Para o Secretário de Estado da Segurança Pública do Paraná, Romulo Marinho Soares, a titulação de Figueiroa vem em boa hora para o estado.  “Esse é mais um alinhamento entre o Paraná e o Governo Federal que mostra o quanto os projetos de segurança pública então dando certo em nosso Estado. É uma nomeação importante que destaca o trabalho das forças de segurança do Paraná, principalmente do Conesd, no combate às drogas, mal que assombra milhares de pessoas em todo o Brasil”, disse o secretário. 


TEMAS

 Nesta primeira reunião foram tratados assuntos como a aprovação do novo regimento interno do Conad, a criação de um guia metodológico de políticas sobre drogas, além da aprovação da confecção de uma logomarca ao Sistema Nacional de Políticas sobre Drogas (Sinad).

JUNHO PARANÁ SEM DROGAS

 Este mês está acontecendo a campanha Junho Paraná sem Drogas, que dedica ações de conscientização, prevenção e tratamento ao uso de substâncias químicas e drogas no estado. Neste ano, as atividades estão acontecendo de maneiras diferentes das edições anteriores devido à pandemia da Covid-19.

 As lives abordam temas como prevenção e repressão às drogas no Brasil, o uso de narguilé e do cigarro eletrônico, o impacto do consumo de bebidas alcoólicas durante a pandemia, a inteligência policial no combate ao narcotráfico, entre muitos outros. Os assuntos são debatidos entre especialistas de políticas sobre droga, com transmissão pelas redes sociais do Conesd e já alcançou e interagiu com milhares de pessoas em todo o Brasil e no exterior.