Professores fazem protesto durante a cerimônia de posse de Beto Richa

Categoria diz que profissionais temporários não receberam salários.Promessa é de que o pagamento do mês de dezembro será feito no dia 8

por Redação JB Litoral
01/01/2015 19:00 (Última atualização: 01/01/2015)

NULL

Um protesto do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Paraná (APP-Sindicato) marcou a cerimônia de posse do governador Beto Richa (PSDB), na tarde desta quinta-feira (1º). De acordo com a entidade, o governo deixou de pagar os salários de 37 mil professores que atuam com contratos temporários em todo o estado.

O sindicato diz que o pagamento deveria ter sido efetuado no dia 30 de dezembro, mas os valores não foram recebidos pela categoria. A entidade se queixa do fato de que os professores temporários são os que recebem os menores salários entre os docentes do sistema público de ensino do governo estadual.

Ainda conforme o sindicato, a promessa do governo é quitar os salários de dezembro até o dia 9 deste mês.

O protesto contou com professores da Região Metropolitana de Curitiba e de Maringá, no norte do estado. Logo após a entrada de Richa no Palácio Iguaçu, onde empossou os novos secretários de estado, o grupo se dispersou.

Saiba Mais

Sindicato entra na justiça para pagamento imediato dos servidores(as)

No início da tarde desta quarta-feira (31) a direção da APP-Sindicato, juntamente com o Departamento Jurídico da entidade, protocolou um pedido de liminar no Tribunal de Justiça do Estado do Paraná para que o governo efetue imediatamente o pagamento dos salários dos servidores (as) com contratos temporários – PSS.

A APP-Sindicato entende que o governo feriu a Constituição Estadual quando não efetuou o pagamento dos(as) servidores(as) públicos até o último dia do mês, como determina a lei. Além disso, a ação do governo provoca uma discriminação ao garantir o pagamento dos servidores(as) efetivos(a), excluindo os(as) contratados(as) temporariamente. “O governador acabou discriminando os professores contratados pelo regime PSS. Agora o Mandado de Segurança deve ser distribuído para o desembargador de plantão que vai apreciar o pedido. O mandado pede o pagamento imediato dos salários de dezembro, antes mesmo de ouvir o governador”, esclarece a advogada da APP, Gisele Soares.

A direção estadual também foi até o Palácio Iguaçu para cobrar do governo o imediato pagamento dos salários devidos. No entanto, nenhuma autoridade se encontrava no local. O deputado estadual, Professor Lemos, entrou em contato com autoridades do Estado e teve a informação de que o pagamento será realizado no período de 5 a 9 de janeiro. Por isso, a APP entendeu que era necessário protocolar o Mandado de Segurança no Tribunal de Justiça do Estado, como explica o presidente da APP, professor Hermes Leão. “Diante da grave discriminação com que os PSS foram tratados, não recebendo seu salário conforme previsto, a APP, por meio do seu Departamento Jurídico, imediatamente protocolou pedido de liminar com urgência no Tribunal de Justiça. Além disso, vamos fazer um ato público durante a posse do governador amanhã”.

Descaso com a educação – O calote que o governo do Estado deu nos(as) professores(as) contratados em regime PSS demonstra a falta de respeito com a educação do Paraná. No entanto, mais do que isso, a falta de pagamento dos salários dos(as) educadores(as) demonstra o descaso com os trabalhadores e trabalhadoras da educação.

37 mil servidores(as) estão sem receber o salário de dezembro e, em período de férias e festas, isso se agrava ainda mais. Período este em que as famílias estão viajando, aproveitando as férias e contam com o pagamento do salário para arcar com suas despesas pessoais. O governo do Estado não informou que iria atrasar os pagamentos e, por isso, não era possível que os(as) trabalhadores(as) soubessem que não teriam dinheiro no período de mais gastos do ano. Gilmar Domingues é um exemplo disso, pois foi pego de surpresa ao perceber que não havia recebido seu salário. “Sou funcionário pela Secretaria do Trabalho e não recebi nada. Tenho contas para pagar, assim como todo mundo. Eu e minha família estávamos contando com esse dinheiro, afinal, temos nossos compromissos”, desabafa ele.

Manifestação com ato público na posse do governador – Diante do descaso do governador com as servidoras e servidores públicos, a APP-Sindicato está convocando todos(as) para um ATO PÚBLICO durante a posse para o segundo mandato do governador Beto Richa.

Serviço:

ATO PÚBLICO – Contra o não pagamento dos salários dos(as) servidores(as) com contratos temporários e desrespeito do governo com a Educação Pública do Paraná.

Deixe um comentário