Projeto “Eca Direitos e Deveres” conscientiza a população há 14 anos

por Redação JB Litoral
24/05/2020 17:30 (Última atualização: 24/05/2020)

Alunos do 5º ano do ensino fundamental tinham aulas de seis meses

O município de Paranaguá conta, há 14 anos, com o projeto “ECA Direitos e Deveres”, o qual, até o fim de 2018, percorria as escolas municipais e estaduais da cidade. O plano, idealizado em março 2006, pelo atual vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), Luiz Portaneri, hoje, limitou-se a algumas palestras em instituições da cidade.

O interesse a respeito de assuntos relacionados à infância e adolescência, segundo Portaneri, surgiu em 2000, quando ele ingressou como servidor público na Prefeitura de Paranaguá. Mas o projeto foi ganhar forma seis anos depois, quando Luiz se tornou suplente, depois de uma eleição para conselheiro tutelar. “Criei o projeto ‘Conhecendo o ECA direitos e deveres’, em que eu chegaria nas crianças, adolescentes e seus familiares antes de acontecer algo de errado. Projeto que levava, até eles, o conhecimento sobre seus direitos e deveres, além das consequências”, disse.

Quando Portaneri trabalhava com alunos das escolas municipais, ele realizava aulas semanais, de uma hora de duração cada. O estudo era direcionado aos estudantes do 5º ano, por um período de seis meses. No fim de cada módulo, eram feitas formaturas, onde eles recebiam o certificado “Amigo do Eca”. Já nas escolas estaduais, eram produzidas palestras diárias, de duas horas, com vídeo, para os alunos dos ensinos Fundamental II e Médio. Até 2018, o número de discentes, alcançados pelo projeto, somava 17 mil.

Palestras nos dias de folga

Projeto "Eca Direitos e Deveres" conscientiza a população há 14 anos 2
Luiz criou o projeto em 2006

“Hoje, por motivos administrativos, não estou fazendo mais da forma que vinha sendo realizada. Apresento algumas palestras nos dias de folga, à noite, pois gosto muito do que faço e sei que os resultados são positivos. Elas ajudam muitas crianças e adolescentes a não ingressarem na criminalidade”, afirmou Portaneri.

Trabalhando no CMDCA, o vice-presidente da instituição relatou que os seus colegas de trabalho são pessoas comprometidas na área da infância e se diz empolgado na criação de projetos preventivos para atender toda a juventude.

Luiz espera que, em breve, possa retornar com as atividades de conscientização, contando com o apoio de todos os que admiram o seu trabalho. “Se as crianças são o futuro, então vamos garantir o seu presente”, concluiu.