Proposta de fechamento de escola presidente Costa e Silva será discutida com comunidade

Fechamento será definido após diálogo com professores e pais de alunos. Número de matrículas caiu 61% de 2005 a 2014. Atualmente, 142 alunos não chegam a ocupar as 13 salas do prédio

por Redação JB Litoral
07/11/2014 18:00 (Última atualização: 07/11/2014)

NULL

Com o objetivo de esclarecer os rumores sobre o fechamento da Escola Municipal presidente Costa e Silva, no Rocio, a secretária municipal de Educação e Ensino Integral, professora Hilda Werner, concedeu uma coletiva à imprensa na tarde desta sexta-feira (7) e explicou que existe tal possibilidade, mas que a decisão ainda está sendo analisada pelo prefeito Edison Kersten e será discutida com pais de alunos, professores e direção numa reunião na próxima quinta-feira (13), às 16h,no Palácio São José.

A secretária da pasta apresentou estudo feito pela Semedi caso venha a se optar pelo fechamento da escola. No levantamento, os principais motivos para o fechamento são: o decréscimo no número de alunos em virtude do avanço de empresas do setor portuário na região; as condições atuais de infraestrutura do prédio; a preocupação com a segurança e saúde dos alunos e a economia aos cofres públicos em gastos de custeio da instituição.

Pelo levantamento, vê-se que a Escola Municipal Presidente Costa e Silva tinha, em 2005, 370 alunos matriculados. Em 2009, o número caiu para 232 e, em 2014, chegou a 142. No comparativo entre 2005 e 2014, houve uma redução de 61% no número de alunos atendidos.

“Atualmente, não se utilizam as 13 salas disponíveis na escola. Temos sete turmas, com uma média de 17 alunos em cada, quando a média da rede municipal de ensino é de 20 a 30. Temos uma turma de 3º ano que está com apenas 10 alunos”, explicou Hilda.

Caso se opte pelo encerramento das atividades no ano letivo 2015, a opção primordial para transferência dos alunos é a escola municipal Randolfo Arzua, distante pouco mais de 1km da escola presidente Costa e Silva. No caso do Randolfo, a escola tinha, em 2005, 509 alunos matriculados. Em 2009, o número caiu para 438 e, em 2014, chegou a 310. Essa redução permite a absorção, segundo a secretária, dos alunos transferidos da escola Presidente Costa e Silva.

Atualmente, o Randolfo tem 14 salas de aula e 11 turmas, sendo que a média de alunos por turma é de 22,12, o que ainda é baixa se considerarmos a média entre 20 e 30 da rede”, explica a secretária.

Segundo ela, os pais foram ouvidos e alguns já sinalizaram a intenção de transferir seus filhos para outras escolas, caso se opte pelo fechamento da escola presidente Costa e Silva. Ainda de acordo com a secretária, mesmo que todos os alunos fossem transferidos para a escola Randolfo Arzua, não haveria superlotação.

“Fizemos o estudo de como ficariam as turmas do primeiro ao quinto ano do Randolfo com a transferência total de alunos hoje matriculados na escola presidente Costa e Silva e chegamos a uma distribuição de turmas com uma media de 26,6 alunos, o que ainda está dento dos padrões observados na rede”, explicou.

Reforma

De acordo com a secretária, tendo em vista o decréscimo no número de alunos, cenário que deve persistir na região em virtude do avanço da área portuária, uma reforma no prédio seria muito custosa ao município. “A última grande reforma na escola foi feita em 2007 e atualmente a estrutura encontra-se bastante comprometida. Seria necessário investir um montante significativo numa nova reforma. Considerando a tendência de baixa no número de matrículas, esse recurso poderia ser usado para melhorias em outras escolas da rede”, explicou.

Economia

O virtual fechamento da escola também traria uma economia aos cofres públicos. Segundo o estudo apresentado durante a coletiva, somando os gastos com água, telefone, internet, luz, desratização e limpeza de caixa d’água, a escola consome R$ 21.612,66 ao ano, sem contabilizar gastos com professores, equipe pedagógica e direção. Só com desratização – processo para afastar ratos – gasta-se R$ 1.565,00 ao ano. “Em outra escolas, o valor gasto neste procedimento é menor. O problema dos pombos e ratos no ambiente escolar ali é mais grave e nos preocupa bastante”, salientou a secretária.

Professores

Quanto aos professores e demais profissionais que atuam na escola municipal Presidente Costa e Silva, a secretária de Educação, Hilda Werner, ressalta que os mesmos estão sendo ouvidos e, caso se opte pelo fechamento, parte da equipe, desde que queira, será absorvida pelo Randolfo Arzua. Outra parte será, desde que possível, encaminhada para instituições da rede municipal pelas quais já acenaram interesse em recente pesquisa feita pela Semedi.

“Não é correto falar em professores desempregados, pois eles são funcionários efetivos do quadro do município e terão, todos, garantidas as suas vagas na rede municipal de ensino”, disse.

Decisão 

O fechamento da escola ainda está sob análise da Prefeitura de Paranaguá. O processo de decisão será democrático e o resultado deve vir somente após o prefeito Edison Kersten receber uma comissão de pais e professores. A reunião está marcada para a próxima quinta-feira (13), às 16h, no Palácio São José.

Deixe um comentário