Ação de reintegração termina em confronto no Jardim Figueira

por Redação JB Litoral
18/06/2020 17:33 (Última atualização: 18/06/2020)

Polícia Militar e Guarda Civil Municipal foram chamadas para conter o confronte

Uma reunião na tarde de quarta-feira (17), entre os ocupantes de uma grande área localizada no bairro do Jardim Figueira, em Paranaguá, e o jurídico contratado para representá-los, em determinado momento, saiu do controle e gerou um grande tumulto.

A empresa proprietária de parte da área, Hosner Logística, contratou uma equipe de segurança privada para realizar a retirada das demarcações. Cerca de 10 homens contratados pela empresa desmancharam os barracos que haviam sidos instalados no local. Desde o dia 5 deste mês, mais de 400 pessoas haviam ocupado parte do loteando, com acesso principal ao bairro, montando tendas e barracos, além de delimitarem espaços e acessos.

A ação causou revolta dos ocupantes que estavam agrupados na altura da Br-227, próximo ao estacionamento da Companhia Brasileira Logística Cia (CBL), onde possui uma grande área desmatada. O grupo, então, seguiu ao encontro dos seguranças e a confusão foi inevitável. Para afastar os manifestantes, os ocupantes alegaram que houve até disparos de arma de fogo, provocando ainda mais agitação. Diante disso, a Polícia Militar e a Guarda Civil Municipal foram chamadas para conter o confronto.

O advogado da detentora de parte do terreno, Felipe Andreoli, alegou que “de acordo com o Código Civil, é permitido sim, usar o desforço imediato para garantir a posse, sendo a empresa a proprietária”.
Ao todo, sete pessoas foram conduzidas até a delegacia para prestar esclarecimentos.

Novo bairro

Os ocupantes daquela região, que estão denominando como Jardim Figueira II, alegam que a Hosner, possui uma dívida de mais de R$ 19 milhões em impostos e, por isso, querem ocupar o espaço para a construir suas casas e implantar um novo bairro. “Existem tantas famílias sem casas que precisam de moradia, queremos transformar isso aqui num bairro de Paranaguá”, disse Maike Leite.

Reportagem relacionada