Somente após confirmação de coronavírus em assessor parlamentar, Câmara Municipal adere à sessão remota

por Luiza Rampelotti
24/05/2020 15:37 (Última atualização: 24/05/2020)

Assessor legislativo foi testado positivo para o coronavírus e teve contato com os demais servidores da Câmara. Foto/JB Litoral

Após a confirmação de que o assessor parlamentar do Poder Legislativo de Paranaguá, Ananias Francisco dos Santos Rodrigues, testou positivo para o novo coronavírus (Covid-19), informação divulgada no dia 14, a Câmara de Vereadores anunciou que, a partir desta segunda-feira (25), irá adotar o sistema de sessão remota, no qual cada vereador participa direto de sua casa, por meio da internet, para a realização das sessões legislativas.

De acordo com a assessoria de imprensa da Casa, a medida foi proposta pela mesa diretora e teve aprovação unânime dos demais parlamentares. O novo modelo irá durar por tempo indeterminado ou até que se estabilizem os casos de coronavírus em Paranaguá, visto que as confirmações têm aumentado diariamente.

Dessa forma, a população poderá acompanhar as sessões remotas ao vivo, por meio do site da Câmara, no endereço www.paranagua.pr.leg.br, as segundas e terças-feiras, a partir das 17h.

A confirmação positiva de Ananias, assessor direto do vereador Adilson Soares Zela (PSC), o Tucano, gerou preocupação nos demais servidores do Poder Legislativo e vereadores que tiveram contato com ele. De acordo com Tucano, Ananias foi, em um primeiro momento, diagnosticado com dengue e, após curado, passou a ter dificuldades de respiração. Devido a apresentar o sintoma, o assessor realizou o teste para Covid-19.

Diante disso, estive na Câmara para avisar os servidores do resultado, no dia 14. O pastor Ananias está em tratamento e isolado, da mesma forma que seus familiares e, até mesmo eu estou em isolamento no meu sítio, por questões de segurança e em atendimento às recomendações existentes”, disse Tucano. No mesmo dia em que recebeu a confirmação de seu assessor, o vereador também realizou o teste. O resultado saiu na quarta-feira (20) e foi negativo.

Vereadores pedem sessão remota desde março

Outros vereadores lamentam que a sessão remota só foi adotada diante de uma possibilidade de contágio coletivo. “Desde o início das medidas de isolamento social, impostas pelos Estados e Municípios, principalmente em Paranaguá, em março, estamos cobrando do presidente da Câmara, Waldir Leite, a realização das sessões legislativas de forma remota. Esse modelo foi adotado em diversas esferas de poder, no Brasil inteiro, e permite que todos participem, até aqueles que deveriam estar em casa por se encontrarem no grupo de risco da doença, como os idosos acima de 60 anos. Mas, aqui, eles continuavam participando das sessões normalmente”, comenta o vereador Francisco Leudomar Nóbrega dos Santos (Avante), o Nóbrega.

Até as últimas sessões realizadas na semana passada, na segunda (18) e terça-feira (19), os vereadores que se encontram no grupo de risco continuavam participando normalmente. Porém, o Decreto Municipal 1.940, de abril, já determinava o isolamento social obrigatório para pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, crianças entre zero e 12 anos, imunossuprimidos, portadores de doenças crônicas, gestantes e lactantes.

O JB Litoral questionou, a Câmara de Vereadores, a razão pela qual a sessão remota só foi adotada a partir desta semana e, segundo a assessoria, a medida foi tomada “no exato instante em que se percebeu a tendência de curva ascendente dos casos da Covid-19 no município”.

Câmara não passou por desinfecção, denuncia vereador

A assessoria informa, também, que Ananias Rodrigues, assim como os demais servidores (efetivos e comissionados) com idade acima dos 60 anos ou inclusos no chamado grupo de risco, estava afastado dos trabalhos na Casa Legislativa quando apresentou o resultado positivo para o coronavírus. “Ou seja, muito antes de ter sido acometido pela doença, o assessor já não estava fazendo qualquer tipo de expediente no gabinete onde está lotado, na função de assessor parlamentar desta Câmara Municipal”, diz.

No entanto, um áudio que circula nas redes sociais, atribuído a uma servidora da Câmara, que avisa a respeito do resultado do teste de Ananias, informa, também, que o mesmo esteve no Palácio Carijó nos dias anteriores e que todos os servidores e assessores que tiveram contato com ele foram afastados. O áudio foi confirmado por Tucano.

Somente após confirmação de coronavírus em assessor parlamentar, Câmara Municipal adere à sessão remota 2
Nóbrega denuncia que a Casa de Leis não passou por nenhum processo de desinfecção após, a confirmação de coronavírus do assessor

A reportagem questionou, ainda, a Câmara a respeito das medidas de desinfecção adotadas pelo Legislativo para evitar que novos casos positivos possam surgir. Entretanto, essa pergunta não foi respondida. Porém, o vereador Nóbrega denuncia que nenhuma medida de descontaminação foi realizada no Palácio Carijó.

A respeito da realização de testes para a Covid-19 nos servidores da Casa, a assessoria comenta que não houve uma recomendação do Executivo para que fosse realizada a testagem em massa dos servidores efetivos e comissionados, uma vez que, supostamente, Ananias não esteve presente na Câmara. “Vale destacar que nenhuma pessoa, até o presente momento, na Casa de Leis, apresentou qualquer sintoma para o coronavírus. Felizmente, não há servidores efetivos e comissionados com suspeita de estarem contaminados”, conclui.