Suspeitos de atirarem em guardas municipais são presos pela Polícia Civil

por Redação JB Litoral
05/02/2016 11:00 (Última atualização: 05/02/2016)

NULL

Uma operação da Polícia Civil, na manhã de quinta-feira, 4, prendeu dois suspeitos do atentado a tiros contra agentes da Guarda Civil Municipal na Ilha dos Valadares, em Paranaguá, que aconteceu na madrugada de segunda-feira, dia 1.°.

Foram presos Cláudio Matheus Costa Pires, 19, e Welington Mendes Pires, 33, ambos com mandado de prisão expedido pela 2.ª Vara Criminal de Paranaguá. Encaminhados à 1.ª Subdivisão Policial, eles ficaram recolhidos no setor de carceragem, junto com outros dois suspeitos, presos no mesmo dia do atentado.

Conforme informado pelo delegado Nilson Santos Diniz, que comandou a operação, com a prisão da dupla, apenas um suspeito de envolvimento no crime ainda continua foragido. Joelson Pereira dos Santos, mais conhecido por “Kisuco”, é apontado como o autor dos disparos. Contra ele também foi expedido um mandado de prisão.

TIROS

Na segunda-feira, por volta das 3h38, quatro homens foram até a Praça Ciro Alabém, e um deles atirou contra o módulo da Guarda Civil Municipal, que fica próximo à entrada da ponte da Ilha dos Valadares.

Cerca de cinco tiros foram disparados, mas os dois guardas civis municipais que estavam de serviço no local, e não portavam armas, conseguiram escapar sem que fossem alvejados.

Logo após o atentado, as equipes da GCM prenderam Fagner Paixão Damaceno, de 26 anos, que teria procurado os guardas municipais, alegando que estava sendo ameaçado. Ele estava acompanhado de Joelson, o qual teria efetuado os disparos quando os agentes disseram que iriam acionar uma viatura para atender a ocorrência.

Na sequência das diligências, em uma operação que contou com a participação de policiais civis e militares foi preso Cláudio Pires Mendes, o “Pastor”, 37, e apreendidos dois revólveres e duas pistolas. Também houve a apreensão de 1,4 quilos de maconha, 41 gramas de crack e 76 gramas de cocaína.

De acordo com o que foi apurado pela polícia, “Pastor”, que é pai de Cláudio e tio de Welington, seria o mandante do crime, o qual teria sido motivado por uma abordagem da Guarda Civil Municipal, na Ilha dos Valadares, realizada no dia anterior, mas por outros agentes, que não estavam de serviço na madrugada.

Os quatro presos foram indiciados pela dupla de tentativa de homicídio contra os guardas municipais e também irão responder por associação ao tráfico de drogas. Todos permanecem presos.

Deixe um comentário