Tenente Coronel Prates: soluções para grandes problemas da cidade

por Redação JB Litoral
22/10/2013 00:00 (Última atualização: 22/10/2013)

NULL

Atendendo convite feito pelo vereador Arnaldo Maranhão (PSB), o tenente coronel Prates, comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar que responde pela segurança das sete cidades do litoral, participou da sessão desta terça-feira (22), onde falou sobre o trabalho na Polícia Militar na cidade de Paranaguá.

Apesar do pouco tempo na cidade, o comandante mostrou um farto conhecimento dos principais problemas que preocupam a população e, surpreendeu os vereadores, ao apresentar soluções viáveis para grandes problemas, indicando, inclusive, a fonte para os recursos necessários para solução.

A incidência da droga, segundo o tenente coronel, está acima da média na cidade e, entre os lugares mais visados, está na Ilha dos Valadares, onde a Polícia Militar desenvolveu o programa “Ilha Cidadã”, e a situação vem melhorando significativamente com a ação efetiva da polícia.

Contudo, o comandante destacou que não mede a eficácia do trabalho da Polícia Militar na cidade pela capacidade de prevenir o crime e não pelo número de prisões efetuadas. Por isso, destacou a necessidade de programas como o Proerd e Formando Cidadão, este último que será resgatado no município.

O tenente coronel Prates pontuou os principais problemas e sugeriu soluções que passam pela Câmara de Vereadores, prefeitura, Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) e Governo Estadual e Federal. Veja as principais;

Casa de Passagem e CPS 24 horas

O comandante defende a necessidade da construção de uma Casa de Passagem para encaminhamento dos menores em situação de risco, algo que ainda não existe na cidade que possui 365 anos. Ele também sugere a construção de um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps-AD), algo que a prefeitura de Curitiba tem adotado com bastante sucesso.

Para ele um CAPS 24 horas poderia atender menores drogaditos e dependentes químicos na cidade. No que se refere aos menores em situação de risco, Prates destacou que, hoje, adolescentes locais estão sendo atendidos em Pato Branco, como poderiam ser encaminhado para uma local na cidade, próximo da família.

Monitoramento e legislação contra “vazadas”

Problema que está se tornando crônico na cidade, as “vazadas”, para o comandante tem solução e depende de uma ação efetiva do Poder Público.

O tenente coronel sugeriu uma rede de monitoração através de câmeras das vias públicas onde os caminhões fazem o trajeto para o porto e armazéns de retaguarda, especialmente a BR-277 e a Avenida Bento Rocha.

O comandante sugere que porto e prefeitura invistam na colocação destas câmeras, porque o custo se torna mais barato que os problemas gerados com as vazadas e, com isso a Polícia Militar, teria como identificar os marginais e por fim nestas ações.

Outra solução seria a criação de uma legislação, quer através do Legislativo municipal ou estadual, ou mesmo o Executivo das duas esferas, no sentido de obrigar os motoristas que transportam produtos que são alvo dos criminosos, de adotarem o uso de cadeado nas bicas para impedir a ação dos marginais.

O fato deles antes deles entrarem na cidade, serem obrigado passar pelo pátio de triagem da Appa, favorecia a fiscalização do uso dos cadeados pelos caminhoneiros.

Reavaliação do Plano Diretor

Por fim o comandante sugeriu uma reavaliação do Plano Diretor no que diz respeito à permissão de parada dos caminhões que movimentam mercadorias e acabam estacionando em vias públicas e diante de pontos comerciais e casas dos moradores.

Para ele, esta situação favorece a esmola coercitiva (cuidadores de veículos) e abrem uma válvula para outros problemas. O comandante destacou que um levantamento feito pela Polícia Militar, ainda não concluído com exatidão, mostra que cada caminhão que trafega na cidade, derrama cerca de 80 a 100 quilos.

Assim sendo com cerca de três mil que trafegam diariamente, uma grande quantidade de produto está sendo comercializado de informa ilegal e isso precisa ser combatido, através da comunhão de esforços não apenas da polícia, mas de todos os envolvidos.  

No final de sua explanação o comandante informou que o 9º BPM, hoje, possui um contingente de 420 soldados e que 150 estão destinados para Paranaguá. Porém, o Governo do Estado irá contratar mais 2.226 novos soldados e isso ajudará a cidade, pois serão enviados alguns para o litoral.

O vereador Antonio Ricardo dos Santos (PP) sugeriu o envio para o governador Beto Richa de uma carta da Câmara de Vereadores, solicitando que 10% destes novos soldados sejam enviados para cidade.

 

Deixe um comentário